CID-10

Categoria Dracontíase

Código: B72

Descrição: Dracontíase

Abreviada: B72 Dracontiase

Grupo: Helmintíases

Capítulo: Capítulo I - Algumas doenças infecciosas e parasitárias

Subcategorias

Ver Grupos do CID-10

Definição

Dracunculíase

Dracunculíase ou dracunculose (do latim, dracuncùlus: 'pequeno dragão ou peixe venenoso'), também chamada doença do verme-da-guiné (DVG), é uma infecção causada pelo verme-da-guiné

A pessoa é infectada ao ingerir água contendo pequenos copépodes da ordem Cladocera (pulgas-d’água) infestados por larvas do verme-da-guiné

Na fase inicial da infecção não há sintomas aparentes

Cerca de um ano após a infecção, a pessoa apresenta uma dolorosa sensação de queimação quando a fêmea do verme forma uma bolha na pele, geralmente nos membros inferiores

Semanas mais tarde, o verme então rompe o tecido cutâneo e surge através da pele

Nesse estágio a pessoa poderá apresentar dificuldades para caminhar e trabalhar

É bastante incomum a morte em decorrência da doença

O homem é o único animal conhecido que pode ser infectado pelo verme-da-guiné

O verme mede cerca de um ou dois milímetros de largura, e a fêmea adulta pode alcançar de 60 a 100 centímetros de comprimento (os machos são consideravelmente menores)

Fora do organismo humano, os ovos podem sobreviver por até três semanas

Eles devem ser ingeridos pelas pulgas-d’água antes desse prazo

A larva pode sobreviver até quatro meses no interior das pulgas-d’água

Dessa forma, a doença deve ocorrer a cada ano em humanos situados em determinada área afetada

O diagnóstico normalmente pode ser feito baseado nos sinais e sintomas da doença

A prevenção exige o diagnóstico ainda na fase inicial da doença, e em seguida, evitar o contato das feridas das pessoas infectadas com a água potável

Outros esforços incluem a ampliação do acesso à água limpa, e também a filtração da água quando ela não está limpa

A filtragem por tecido normalmente é suficiente para eliminar o risco de proliferação

A água potável contaminada também pode ser tratada com o composto químico temefós para exterminar as larvas

Não existe medicação ou vacina contra a doença

O verme pode ser removido ao longo de algumas semanas, enrolando-o lentamente ao redor de uma vareta

As úlceras formadas pelo verme emergente podem sofrer infecções bacterianas

A dor pode continuar durante meses após a retirada do verme

Em 2013 havia 148 casos reportados da doença

É uma considerável diminuição em comparação com os 3,5 milhões no ano de 1986

Ela ainda persiste em quatro países na África, enquanto na década de 1980 eram vinte os países afetados

O país com maior número de casos é o Sudão do Sul

Esta provavelmente será a primeira doença parasitária a ser erradicada

A doença do verme-da-guiné é conhecida desde a antiguidade

Ela é mencionada pelos egípcios no Ebers Papyrus, de 1550 a

C

O nome dracunculíase é derivado do termo em Latim "doença do pequeno dragão", enquanto o nome "verme-da-guiné" surgiu após os europeus identificarem a doença na Guiné, país localizado na costa da África ocidental, no século XVII

Uma espécie similar ao verme-da-guiné causa a doença em outros animais

Aparentemente, esta outra espécie não afeta os seres humanos

Ela é classificada como uma doença tropical negligenciada